Voz que clama das alturas
Sua linguagem é o entendimento
Intento é tornar as almas em candura
Enquanto ainda estão dentro do tempo

Trovejou como um aviso
Estremecendo cada interno
Saiam do caminho do abismo
Ilumine o próprio universo

Acinzentado o céu ficou
E chuva de bençãos caíram
Lavou o imo que um dia chorou
Buscando um eterno abrigo

Água pura e cristalina
Adentrou o coração
Trazendo a sabedoria
Diante a verdade da razão

Gotas na medida exata
Que curam as doenças da alma
Não beba água suja do engano
Que te cegam e lhe tiram a calma

As palavras são como águas
E exercem grande poder
Se forem limpas vão edificar
Mas as sujas fazem adoecer

A voz então nos ensinou
Que há uma fonte de água a jorrar
Assentada em nosso profundo
Querendo nossa alma limpar

Por Michele Mi

*”Participe você também dos poemas!”
Faça a sua sugestão, dê um tema e ele poderá ser veiculado aqui!