Onde está meu céu azul
E os raios de sol em minha tez?
Sinto o peito apertado e nu
Alma desprovida, embriaguez

Lembranças rodeiam minha mente
Desejo ardente em voar
Saltitar como as gazelas nos campos
Sentir a brisa a me tocar

Tenho percebido detalhes
Talvez dado mais valor
Que cesse todos esses males
Deixe-me sentir o amor

Um simples ar, um suspiro
Turbulenta imensidão
Conversa a sós com meu íntimo
Ao menos uma luz nessa escuridão

Até queria uma aquarela
Pincel e tinta na mão
Pintar uma paisagem em minha tela
Mas no leito ruge meu pulmão

Deixe-me aqui só
Até essa madrugada passar
Amanhã será um novo dia
Outra história a contar

Talvez em meio a tempestade
Aprenda algo de bom
E com a fase de dissabores
Transmute degradê e tons

Quero a leveza e a liberdade
E as coisas simples da vida
Saber amar-me de verdade
E compreender a minha sina

Por Michele Mi 
Café &Poesia