Totalmente necessário purificar o coração, tornar-se alma, levitar, colher o fruto da criação. A consciência deve estar ciente da grandeza que estamos dentro, pois para fazermos parte da realeza tem-se um caminho a percorrer com muita destreza. A vereda é no interno, no profundo de cada imo, precisa ver além do horizonte, enxergar tudo pelo raciocínio. A lei já está estabelecida, só falta a consciência se preparar, praticar o princípio certo para isto e de verdade se entregar. Não conseguimos nada sozinhos, mas temos que a nossa parte fazer, dar o start, lançar-se sem medo e sentir o processo ocorrer. O sentimento carnal é a haste que nos prende a árvore mortal, deixando a consciência impura, sem proveito para o divinal. De fato se trata de uma gestação, uma transformação radical, eliminar o velho e impuro, tornar-se candura e alva.

Como? Sentindo a verdade no peito, vendo que é individual, enfrentar todos os gigantes, não fazer caso do que é banal. Assim como entrei nesse mundo de uma forma tão natural, um dia partirei daqui, algo que era para ser normal. Chegamos sem nenhuma ligação e é isso que devemos fazer, desatar todos os nós, e da matéria nos desprender. Como? Confiando na mão divina, que a este mundo já nos trouxe, somente ela pode nos guiar no caminho e nos livrar dos açoites. Esta é a mão forte que nos tira da escravidão, nos molda, nos afeiçoa e dissipa toda escuridão. A parte do sempiterno não falha e nem devemos questionar, só falta o lado de cada consciência a ele verdadeiramente se entregar.

Por Michele Mi