Tempo veloz, quando vê já passou, um piscar de olhos, abriu e fechou. Parece que foi ontem minha entrada neste mundo, uma nova esperança, uma alegria contagiante. Como árvore no jardim fui produzindo meu fruto, até que me refleti e no espelho tomei um susto. Deparei-me como consciência quando já estava madura, enxerguei em mim duas existências e fiquei perplexa, uma no meu imo e outra externa. A aparente é provisória e apenas criação, aqui somos forasteiros e devemos ter atenção. Se ficarmos olhando para fora, perderemos o tempo precioso, a fugacidade externa surrupia e deixa a alma num estado tenebroso.

Faltou a compreensão do que realmente estamos dentro, uma verdade, uma razão, o mais puro entendimento. O sistema escraviza a todos e oprime todas as mentes, não há tempo nem espaço para refletirem livremente. Chegamos ao ápice da correria, uma geração em colapso, na face um sorriso forçado, no interno um fracassado. Eis o tempo oportuno, enquanto ainda temos a vida, a mão divina estendida para mostrar a sabedoria. A paz está guardada no fundo de cada ser, precisa cavar bem profundo e verá a luz resplandecer. Com o tempo o coração desacelera e a mente fica calma, sacuda o pó desta Terra, liberte-se ó alma.

Por Michele Mi