Ouvi uma alma gritar
Aos quatro cantos a sua dor
Palavras frívolas a jorrar
De um interno sem pudor

Faltava-lhe sensibilidade
Para compreender os puros versos
Também pudera, quanta calamidade
Vi a tristeza naquele inverso

Por um instante visitei sua casa
E deparei-me com a sua solidão
Tristezas, infortúnios e lástimas
Apoderaram-se do seu coração

Ficaste parada no tempo
Presa ao rancor do passado
Orgulho ferido no peito
Sequelas de um abandonado

Eu senti o seu estado
E doeu meu coração
Gotas de sangue pingaram
Na sua vasta imensidão

Mas ainda tens a chance
De mudar a sua história
Levantar este semblante
E buscar sua vitória

Tenha zelo por sua alma
E comece a se cuidar
Sacuda o pó da sua farda
Chegou a hora de lutar

Entenda que somos sozinhos
E a guerra é individual
Siga firme pelo caminho
E alcance a paz do divinal

Por Michele Mi
*”Participe você também dos poemas!”
Faça a sua sugestão, dê um tema e ele poderá ser veiculado aqui!