Cada alma tem seu inverso
Com suas profundas raízes
O seu próprio universo
Com suas marcas e cicatrizes

Inverso que dá verso
Rimas e estrofes
Páginas de um peito submerso
Menção do eu no apóstrofe

Quanto temos a dizer
Quantas vozes a gritar
Na noite ou no amanhecer
Na calmaria ou no esbravejar

Na lágrima ou no sorriso
E através da inspiração
Detalhes simples que ensinam
A moldar nosso coração

Crescer na sensibilidade
E extirpar toda soberba
Plantar a semente da liberdade
Derrubar os muros e as cercas

Lá no interno, no âmago
Há maravilhas para descobrir
O que parece ser cinzento e branco
Tem muito a nos colorir

Desatar os nós
Enfrentar o medo
Fazer isto a sós
Em oculto, em segredo

E o rio fluirá
Desaguando nas entrelinhas
A alma perene sorrirá
A sua, do próximo e a minha

Por Michele Mi 
Tema sugerido por: Eliezer Rogério – Jaraguá do Sul/SC