Como uma fonte que jorra
Dia e noite sem parar
As palavras em minha alma transbordam
Não consigo segurar

Antes, cisterna rota
Seca e tão fria
Mas encontrei em mim uma rocha
E bebi a água da sabedoria

Matei minha sede do saber
Que fez tão bem ao meu paladar
Refrigério do meu ser
Um deleitoso saciar

Elas brotam do meu âmago
Impossível de conter
Inspiradas de outro plano
Existência do meu viver

Nutrientes que fortalecem
E renovam meu coração
Eliminam o que fenece
Aguça a transformação

Até dormindo sinto seu gotejar
Clareando minha visão
Cada passo vem orientar
Sentimento e sensação

Chuva divina que me lava
E me transporta na madrugada
Mostra-me as almas sedentas
E como devo ajudá-las

Elas brotam do meu âmago
Impossível de conter
Inspiradas de outro plano
Existência do meu viver

Por Michele Mi