Com certeza ser honesto
Em qualquer situação
Não quero ser funesto
Mas ter a paz no meu coração

A nossa consciência
Funciona como um tribunal
É no interno que paga a penitência
E sente um peso descomunal

Não é porque a maioria erra
Que eu devo agir igual
Quero ter minha alma leve
E ser morada do divinal

Devemos em tudo ser justos
Para ter a consciência tranquila
Eliminar pensamentos sujos
E abraçar a sabedoria

Agir sempre com prudência
E usarmos do bom senso
Libertar a consciência
Desviar da pedra de tropeço

Lá dentro da nossa alma
Há um olho a observar
Os atos e intenções
Que no ventre estão a reinar

É por causa de nós mesmos
Que devemos ser honestos
Não se espelhe em maus exemplos
Seja honrado o seu interno

Pois os frutos serão excelentes
Se a terra for bem cuidada
Zele por sua consciência
E a colheita será boa e farta

Por Michele Mi 
Tema: Julésia da Silva – Paiçandu/PR