O pânico é um sentimento macabro que desperta horror dentro das consciências, geralmente relativo a morte ou de algo fúnebre. Dependendo do pânico, se ele é real ou não, pode ser considerado como uma doença da alma, que é aquela consciência que tem medo de tudo, mesmo não estando acontecendo nada, um medo constante. O pânico pode vir de um trauma, que a pessoa sofreu no passado, e que quando ela vê algo semelhante, já entra em pânico. Alguém, que só sua presença já a atormenta, como na época do ditador Adolf Hitler que toda Alemanha, principalmente os judeus, viviam em pânico por causa dele. Ou no caso das mulheres que ficam sabendo de algum maníaco pelo bairro, e fica em pânico.

O pânico é uma pressão psicológica diante de uma situação adversa. E como dito, se essa pressão for real, como num assalto ou como num sequestro, ou como em qualquer situação adversa, é automático, mas quando o pânico passa a ser um estado psicológico constante dentro de uma consciência, já se torna uma doença da alma. A coisa nem aconteceu ainda, e a consciência já está em estado de choque. Isto acontece com muitas mulheres, que muitas vezes vive a expectativa das ameaças do marido, dizendo que vai deixa-la, e que ela se dará mal. Por isso, muitas delas dizem: ruim com ele, pior sem ele, e aceitam essas condições adversas. O pânico é uma ideia fixa que a consciência tem que não saberá o que fazer diante uma situação, no caso das mulheres casadas, o pensamento é: o que vou fazer sem ele?

Mas as consciências se esquecem e nem acreditam que veio um do céu e que já está dentro delas lhe dando a vida, só para tira-las deste mundo e leva-las ao céu e viver por elas eternamente. Pedro disse assim deste: lançai toda a vossa ansiedade sobre ele, porque ele tem cuidado de vós. Deus também disse: porventura, pode uma mãe se esquecer do filho do seu ventre, tanto que não venha se lembrar dele? Mas mesmo que esta venha a se esquecer dele, Eu, contudo, não me esquecerei de ti.

Davi disse: entrega o teu caminho ao senhor, confia nele, que o mais tudo ele fará, e conclui: ainda que eu andasse sobre o vale da sombra e da morte, não temerei mal algum, porque a tua vara e o teu cajado me consolam. Mas as consciências geralmente, tem reações ao contrário, isto é, não confiam no senhor e temem a Homens. Por isso elas tem medo de tudo e como se diz, o medo atrai o medo, e a consciência entra em pânico. Afinal de contas, você acredita de verdade neste vindo do senhor ou põe mais fé num Zé tranqueira?