“Para todo mal há a cura!”, soa o trecho de uma conhecida canção. Sem dúvida que ao citar tal palavra, o que nos remete são doenças e o mundo está cheio delas, de todos os tipos, podemos até dizer que a cada nascer e pôr-do-sol surgem novas anomalias carnais. O Homem é dotado de extrema inteligência, seu poder de raciocínio é imenso, haja visto todas as invenções, tantas descobertas, é um criador exímio, dentro de suas possibilidades e capacidades.

Está sempre em busca de soluções para o que lhe acarreta danos físicos. Obviamente que essa busca incessante e que tem seu valor, contribuiu e contribui para amenizar e até curar algumas doenças que o acometem. Porém, em meio a tantas dores, tantos sofrimentos, tantas queixas e dissabores, a humanidade insiste em buscar a cura somente para o que fenece, enquanto que o que permanece, que é a consciência, está a cada dia mais doente.

Sim, o essencial é curar-se na alma. Libertar-se das amarras e ciladas do engano. É ser verdadeiramente livre das doenças carnais impregnadas e enraizadas que a sugam cotidianamente, deixando a consciência fraca e suscetível as suas moléstias. Moléstias causadoras de medo, desespero, angústias crescentes e infindas.

A cura para os males mortais da consciência não se encontra em pesquisas, em livros científicos, mas está dentro de cada um, no interno, na vida que pulsa, na centelha divina que ilumina e clareia, mostrando à mesma, a saída das ruínas, conduzindo-a passo a passo na construção do Seu habitat eterno. Para tanto, primordial é o querer, bem como o realizar e então a medida que avança já sentirá o gozo da eterna cura!

Por Loir Xavier