Morte! Para uns o fim da vida, para outros o começo! Para uns será nefasto, para outros será a glória!
Por certo que cada humano consciente já pensou nesse momento e inúmeras perguntas lhe sobrevieram, dentre elas o: como? Quando? Falar ou pensar na morte da carne causa espanto, justamente por existir em seu redor um mistério, que provoca nas consciências um misto de sentimentos sombrios e incertezas. Falar ou pensar sobre a morte carnal transporta o indivíduo para a certeza de que para todos, incluindo o próprio, um dia esta chegará. E então???
Há várias conjecturas sobre o porquê do espanto (medo) que a morte causa na consciência e a resposta para as tais é uma só: erro de função. Para alguns, tal afirmação já se tornou corriqueira, contudo para a grande maioria das consciências, pode ser a premissa para uma descoberta libertadora. A morte deveria ser encarada de maneira natural, pois é parte do processo imbuído no propósito de Deus.
“Todos vão para o mesmo lugar; vieram todos do pó, e ao pó todos retornarão.” Entretanto para entender que a morte faz parte de um processo, é preciso conhecer a vida! Geralmente quando tocamos no assunto vida, os pensamentos logo se voltam para o cotidiano, para os laços afetivos, porém não trata-se da vivência ao longo dos anos, mas da vida propriamente dita, a que advém do espírito santo de Deus, que habita em nós, pelo existir, agir, sentir e principalmente pelo viver. A morte carnal é um fato incontestável, todavia a vida eterna se dará na consciência, pois” que, se morrermos com ele, também com ele viveremos”.
Necessário se faz, saber que se está dentro de um propósito, conhecê-lo, entendê-lo e senti-lo, reconhecer-se e ver-se como consciência, o fruto desejado por Deus, atentar-se aos erros e começar de onde caiu, entregando-se verdadeiramente ao senhor, realizando assim a função de ser para o benefício de Deus, cumprindo dia a dia, com o “nascer de novo”.
Então, os medos, as angústias, as incertezas passarão como a neblina no início de uma manhã de inverno, quando ao despontar do sol, que ilumina e aquece, muda totalmente a paisagem. A morte não mais causará espanto ou incertezas, mas trará o sentimento de consumação, de volta pra casa!

Por Loir Xavier