À quem devo oferecer em sacrifício pela expiação de meus delitos? Ora pois, eu sou o sacrifício! Sou o templo do espírito santo de Deus e devo apresentar meu altar limpo, puro para que dele o senhor se agrade e habite eternamente. Repudiar os desejos, exterminar as ervas daninhas, derrubar o gigante e cortar sua cabeça, fazer uma varredura, transpor todas as barreiras. É preciso determinação, pois para que eu chegue ao céu, ao corpo eterno de Deus, para vê-lo face a face, tenho que completar em mim a obra que Ele começou. Formou-me na carne, deu-me a vida, para que no tempo oportuno produzisse a consciência e por ela manifestasse a glória devida ao Seu nome. Hoje, o meu altar deve estar semelhante a um campo fértil, limpo, arado, irrigado, onde a semente lançada irá crescer forte, viçosa e da qual se dará uma perfeita colheita.

Por Loir Xavier