Toda descrição pede observação! Sim, é dessa maneira que se dá tal ação. Basta observar com atenção e perspicácia que logo de pronto se poderá fazê-lo, tanto em relação a coisas, quanto a corações (consciências). Percebemos que há uns tão óbvios que por mais que queiram esconder-se não conseguem, é como se carregassem estampado na testa o para que vieram, capazes até de constranger com tamanha obviedade. Outros no entanto possuem uma moldura em torno de si, quase impenetrável, mas dado a passagem do tempo, se mostram, surpreendendo com a aparência dantes oculta, como uma maquiagem que ao molhar, escorre e mostra as imperfeições que cobria. Mas há também aqueles que logo de chegada se mostram e não mudam, escancaram com sinceridade suas intenções e buscam de verdade o seu próprio bem, assim como o bem do Eterno. Basta observar as ações para descrever as intenções. Sabemos que o coração do Homem (consciência) é frívolo, infiel, traiçoeiro e que estes adjetivos são produzidos pela rainha que está neles assentada e os comanda, conduzindo-os cegamente para a maior tragédia que irão presenciar e viver, por toda uma eternidade!

Por Loir Xavier