Intensidade: característica do que é intenso, com muita força; que transcende o considerado normal; além do grau habitual; excessivo; veemência.

Ao observarmos as consciências e a relação que as mesmas têm com o meio que as cercam, bem como entre si, é perfeitamente perceptível e sem a necessidade de olhos sagazes, ver o quão intensas são em suas relações, de qualquer âmbito. O grau de intensidade à que uma consciência se lança em busca de algo, é medido sem dúvida alguma pelo querer, pelo desejo em obter, pela vontade em possuir ou até mesmo em ser. Isso se aplica principalmente àquilo que a consciência não possui (com exceção da vida eterna, que julga possuir), que mensura valor, que nutre sentimentos, aquilo que vê como conquista, pelo que sente prazer. Isso explica o domínio carnal ao qual as consciências estão submissas, pelo qual são intensas, não medem esforços e nenhuma desistência há, aliás formulam estratégias para realizarem seus desejos, que de tempos em tempos mudam, mas sem perder o foco da carne e a intensidade.

De acordo com o propósito estabelecido por Deus, as consciências deveriam colocar intensidade nas ações especificadas em: “Amarás, pois, ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o seu entendimento, e de todas as tuas forças…”, concluindo em si o intento pelo qual foram criadas, entregando-se intensa e verdadeiramente,  dispondo-se como sacrifício vivo, sem meio termo, superficialidade ou mediocridade, de forma a disfrutar de toda a plenitude contida somente Nele.

 

Por Loir Xavier