Seus sintomas causam alucinações que beiram a loucura. Os indivíduos acometidos de tal mal sentem dor física e mental, angústia, tristeza profunda, insegurança, medo da perda eminente do objeto de seu único desejo. São dominados pela posse e tornam-se capazes de mutilar e ou matar em nome do mal que as domina, pois acreditam serem donos de suas presas. Sofrem e causam sofrimentos. São tolidos da liberdade assim como impedem outros de serem livres. É uma doença não contagiosa, pois é plantada de uma em uma, de cada consciência. O melhor e único remédio, que traz a cura para tão grande mal, que assim como todos os males plantados pelo engano assolam e castram a liberdade da consciência, está no espírito da vida. Seu efeito depende do querer e da persistência da consciência em ser livre. Cada gota de seu antídoto trabalha para arrancar o mal pela raiz mas depende do querer e da persistência da consciência em ser livre. Sua fórmula é a única eficaz para libertar os presos a esse hediondo, pérfido e mortal sentimento e o gozo que produz à nada se compara, mas depende do querer e da persistência da consciência em ser livre! Sou livre!

Por Loir Xavier