É tanta procura por si mesmo e por onde vai não se encontra. Olhares fitos no espelho vasculhando-o a fim de quem sabe se encontrar ou talvez na esperança de que salte de sua própria imagem refletida. Corre pra cá e pra lá, compra uma coisa aqui outra acolá, muitas vezes por impulso, sem precisão na tentativa de preencher a lacuna que grita: quem sou? E os anos passam, e o que vemos é uma repetição de sempre…dia após dia! Consciências perdidas no emaranhado carnal do mundo, não sabem de sua razão, vivem apenas para a curtição, tolos levados para a perdição. Quão bom seria se, se encontrassem com a vida! Esta que está dentro, saltando pelos olhos, só assim teriam a visão do que realmente deve inundar o coração. Ele, o senhor, o espírito da vida é a resposta para toda e qualquer indagação, é o fim da procura, pois é a completude, a simetria perfeita, alacridade e redenção!

Por Loir Xavier