Temos em nós, vasos de barro, um tesouro de inestimável valor! Por ele, temos a vida! Nele está o agora, o sempre e o eternamente! Ele é o inicio e o fim! Nada sem ele existiria! Veio para colher o fruto produzido, mas está ignorado, maltratado e triste por ver tamanha perdição, pois os frutos tornaram-se em podridão. Mas sua voz ecoa, alardeia para que se atentem à ele, antes de findar o dia, enquanto a luz clareia, pois logo chega à noite trazendo com ela a peculiar escuridão. Sua voz ecoa, alardeia para que se atentem à ele, pois é a cura para todo mal, a comida que mata toda fome, a água que sacia toda sede. É para os cegos a visão, o alívio para os que sofrem dores, a paz para toda a opressão. Ele é e sempre será! É preciso buscá-lo, senti-lo, está no profundo estendendo a mão. Eu a agarrei, com ele me encontrei e prosseguirei, limpando e curando o meu fruto, à fim de ser parte eterna de onde o sol não se põe!

Por Loir Xavier