Os seres humanos no geral, tem a tendência de prestar culto e fazer um deus de tudo o que pensam que irá lhes beneficiar na carne. Não importando do que este é feito, se madeira, pedra, barro, crochê, pintura. Dobram-se, ajoelham-se, prostram-se…
Vivem de promessas feitas com a intenção da realização dos seus desejos, um toma lá, da cá. Prestam-se à todo tipo de digamos “sacrifícios” e inclusive mutilações para obter a concretização do “milagre”. Enfim, são capazes de quase tudo, menos de renunciarem a si mesmos, para conseguirem o tão desejado benefício. São racionais, mas agem como se não o fossem.
Acreditam firmemente que no final do caminho, sempre haverá alguém de sua devoção intercedendo por cada um, e a vida eterna com Deus é certa. E o espírito da vida? Sequer o conhecem ou sentem. O
caminho, a verdade e a vida está ignorado,
rejeitado, deixado cada vez mais de lado!
A eternidade com Deus bem, bem distante, pois para lá chegar é preciso o propósito realizar!

Por Loir Xavier