Tristeza escura

Tristeza não tem cor, tem intensidade! Joga com ímpeto a alma no abismo, sombrio, escuro…É uma degustação, uma porção irrisória se comparado à eterna (se é que se pode comparar) que virá! Assim como viver a tristeza é uma escolha no aqui e agora, tê-la como companhia eterna também o é. O caminho para a real e eterna felicidade, desde já, foi meticulosamente traçado e necessário é que seja trilhado. E uma de suas prioridades é o conhecer e reconhecer-se, como consciência, como fruto, haja visto que o pé, a carne, será lançado fora. Há uma canção que diz: “não há tristeza, não há, lá do outro lado; só alegria, só há lá do outro lado…” A questão central e primordial do e no propósito é a transformação de ser, para que possa-se transpor de lado e viver eternamente tendo o espírito de Deus, o Senhor, como corpo eterno. Então, tudo será claro, translúcido, fenomenal, transcendental.

Por Loir Xavier