Diz uma canção: “Um mundo triste eu vi!”
Um mundo de fracos, angustiados, encarcerados. Presos mentais do que não lhes satisfazem! Vazios, sofrendo as dores de seus ardores, princípio do fim, que será eterno! “Oh,meu Deus quanta desilusão!” É um corre-corre, um grita- grita, um clama-clama, todos em declínio! Uma mesmice sem tamanho ou proporção. Consciências em vão, transbordando prazeres irrisórios e passageiros. Prisioneiros de si mesmos, fracos!


Sê forte! Beba da água que limpa e purifica das impurezas impregnadas e que jorram da fonte perene da vida que habita em ti, coma e fortifique-se dos pães que descem do céu, cujos nutrientes saram toda e qualquer ferida. Erga-se e ande!
Corra! Corra para os braços do Pai!

Por Loir Xavier