“Eternidade é um conceito filosófico que se refere, no sentido comum, a inexistência do tempo, logo sendo algo infinito. No sentido filosófico, refere-se a algo que não pode ser medido pelo tempo, porquanto o transcende. Em seus sinônimos diz: que nunca acaba: imorredouro, eviterno, imortal, imperecível, infindável, infindo, infinito, interminável, perpétuo, sempiterno. Que tem fim indefinido: constante, contínuo, duradouro, durável, incessante, ininterrupto, perdurável, perenal, perene, permanente.”

Tomando por diretriz o propósito de Deus e sabendo que este é constituído por fases, devo ressaltar que a eternidade começa a ser construída desde já, a partir das escolhas da consciência. Sabendo de antemão, que tais escolhas determinarão a condição ou o estado em que será tal eternidade: com vida ou sem vida.

A um passo da eternidade refere-se justamente ao tempo precioso despendido pelos bilhões de consciências viventes correndo em busca de algo efêmero, é um alerta ainda que sútil, de que a eternidade está logo ali.

Se formos medir o tempo em que é dado um passo e em analogia o compararmos com o nosso tempo de vivência, veremos o quanto é rápido e concluiremos o quão importante e necessário, é assegurarmos a vida eterna para nossas consciências, pois este é o fruto da colheita. Não posso deixar de mencionar que há um caminho a ser percorrido e que está dentro desse um passo. Nele também estão ações concernentes a renúncia, coragem, determinação, entrega, pois haverão batalhas e batalhas a serem travadas com o meio externo, mas principalmente e constantemente conosco mesmo, com o ego exacerbado adormecido, com os sentimentos contraditórios e fortes, cultivados e regados dia a dia, com o conhecimento e  constatação dos erros, e  fundamentalmente com a aceitação da correção em função da mudança.

 

Por Loir Xavier