Parece até um circo
Mas não é
Ver o público em delírio
Enquanto aplaudem de pé

História da vida real
Contada em forma de um conto
Interpretação teatral
E o ingresso é o regresso do sonho

Retrocedem
Por não compreenderem
Na arena os papéis se invertem
Não há drama que possa conter

E que entre o leão!
E o palhaço abraça o chão
E que soltem mais uma canção
Tocada pela orquestra Ilusão

Os medos que são encobertos
Somem através de mágicas
Por seus olhares incertos
Escorrem sua dores mais trágicas

E ali permanece a arena
Quiçá contassem a vida
De forma nua e verdadeira
Apresentando-se límpida

Sem maquiagem
Sem personagem
Em uma triagem
Mostrando em si a viagem

Ensinando cada um a desbravar-se
À apresentar-se transparente
Seus leões dominarem
Com todo amor, consciente

A arena da vida é aqui
No palco da consciência
Sua história não terá fim
Para a alma que tem resistência

Que põe tudo em seu lugar
Respeitando a projeção
Que pelo céu fez-se formar
Por seu desejo, o coração

Por Patricia Campos