Um mapa no inverso
Fez encontrar-se universo
Rimou-se em prosas e versos
Descobriu-se ser complexo

Aventurou-se em matas internas
Desvendou-se campo aberto
Com suas flores eternas
Viu o fim e o desconexo

Tratou de ligar-se
A tudo que é infinito
Sem medo de aventurar-se
Descobriu o quanto é incrível

Percebera quão são valentes
Os caçadores de aventuras
Que não medem e seguem em frente
Que não tem medo de altura

Arriscam-se a voarem
Desbravando o céu azul
E quanto mais alto alcançarem
Mais sentem a brisa do sul

Em busca de um tesouro infindo
Que muito ficara escondido
Caem as escamas e o olhar fica límpido
Mais um coração fortalecido

Ter garra
É para quem quer
Que não foge da navalha
Mas enxerga além da fé

Que não ganha no grito
Mas no silêncio
Que não fica aflito
Mas leve como folha ao vento

Há quem seja caçador
De aventuras que trazem dor
Não conheceram o amor
E semeiam sempre o rancor

Desconhecem a beleza
De toda a simplicidade
Desvalorizam a riqueza
Por não enlaçar-se a verdade

Por Patricia Campos