Uma leitura distinta
Sem papel ou tinta
Cada letra escrita
Pelo Autor da vida

Quem à leu ou entendeu?
Em linhas retas correu
O coração sofreu
E o sentido se perdeu

Protegeram-se das águas
Mal sabiam que eram sãs
Deviam lavar suas almas
Refrescar-se feito hortelã

Mesmo que fosse em papel timbrado
Teriam-na amassado
Enlaçaram-se ao seu véu escasso
Tal qual bailarina sem compasso

Mas Deus não deixou de avisá-las
De forma enigmática ou clara
A questão, é que não fizeram questão
E ouviram somente o que é vão

A fala vem
De diversas maneiras
A carta que traz o bem
Tacaram-na na lareira

E depois querem clamar
Pedir por misericórdia
Não aprenderam amar
E trazem para si a discórdia

Cordel de única nota
Retumbada em dó
Fechaste ao céu tua porta
Por isto ficaste tão só

Se de fato observastes
Há tanto a ser ouvido
A carta de Deus não guardaste
Nem pelo canto do passarinho

Falta-lhe percepção
O dom da sensibilidade
Ele fala ao teu coração
Palpitando em ti Sua verdade

Por Patricia C.