Poesia: “Meu coração não é mais meu”

Um batucar em disritmia
Eram meus sonhos esvanecidos
Que o faziam tocar fora da rima
E no peito o amor era esquecido

Pensava ser dona de mim
A compreensão passava de largo
Era sim, dona do meu próprio fim
Mal sonhava que eu era campo vasto

Onde pudesse plantar
A semente que floresce a vida
Ecoando ao campo o batucar
Do samba raiz em melodia

E a cada batida
Era a nota da vida a desenhar
Em gotas repentinas
A chuva umedecia meu lar

Atentei-me àqueles sinais
E vi que meu coração não é mais meu
Um toque em toques divinais
Na intenção de desviar meus pés do breu

Rendi-me ao céu
Meu mar molhava o papel
Senti o gosto do mel
Desvencilhei do meu fel

Também pudera
A soberba subiu-me à ponto de envaidecer-me
Quantas quimeras
Acordei antes que meu pó adormecesse

Fui entregue ao eterno
Pelo amor que vivi
Descobri em meu interno
O Cristo que mora aqui

Serei por ele
E ele será por mim
Simetria que adere
O ser em espelho sem fim

Por Patricia C.