Seu olhar secou
Cessou o coração
E meu imo indagou
O que virá depois?
É assim nosso findar?
O buscar então me impôs
Tais segredos desvendar

Entrei em becos no meu eu
Meus medos fúnebres derrubei
Não acomodei-me em breu
Incessantemente busquei

Gritei pelos valados
Ninguém pôde me ouvir
Estavam enclausurados
Sem esperança aguardavam o fim

Não contentei-me em ser nada
Desbravei no meu profundo
Abri minha porta fechada
E fechei-me para este mundo

E ao confinar-me
Fiz um pedido sincero
Quero metamorfosear-me
E fazer-me um com o eterno

Não sabia como seria
Meu Criador abrira minha porta
Enquanto meu pó dormia
Minha alma recebia a resposta

Visões noturnas
Onde a luz manifestava
Esvanecendo minha face obscura
Implantava-me o céu como casa

Em lume abrilhantei-me
Encontrei-me com o Eu Sou
A candeia do meu leme
Minha direção transformou

Nada é mais segredo
Sei de onde vim e para onde vou
Vim e venci, sou guerreiro
Ganhei a luta pelo amor

Por Patricia Campos