Dois lados
Dois caminhos
Um futuro e um passado
A marca de um passarinho

Que pode se quiser
Aprender a voar
Ser pétala de bem me quer
Se escolher a estrada do amar

Os olhos refletem o externo
Mas há um espelho alma
Que pode buscar ser eterno
Se em seu chafariz beber de sua água

Há um céu e um sol interno
Onde a paz é a melodia
Há um mar em seu universo
E a estrela da alegria

Basta reconhecer-se
E espelhar tal imensidão
Em lume resplandecer-se
Até que transborde em seu coração

O querer é primordial
E a busca deve ser voluntária
A opressão causa à alma o mal
E a potestade faz a força contrária

Não queira conhecer o outro lado
O de pétala de malmequer
Onde seu imo será apagado
Onde não mais achará seus pés

Alie-se a luminescência
O óleo da tua candeia
Seja criança em inocência
Mas não monte seu castelo em areia

De um lado temos a vida
E do outro o negrume no breu
Mantenha-se chama viva
Faça parte do corpo de Deus

E quando o pó retornar-se
Ao destino de onde saiu
Tua alma irá transportar-se
Junto ao braço que lhe conduziu

Por Patricia Campos