Tom vivo
Aquarela em tela
Um dia fora sombrio
Tristeza desenhada em cela

Faltava-lhe alegria
Incontentamento inverso
Esvaneceu-lhe a fantasia
Buscou cores em seu universo

Brilho cintilante
Pontos de luminescência
Detalhes em toques vibrantes
Era a vida em transparência

Espelho multicolorido
Refletindo os tons de azuis
Um infinito colorido
Adocicado com raiz de alcaçuz

Verdadeira obra prima
Pela mão que do céu desceu
Buscando detalhes em rimas
Foi assim que essa mão lhe teceu

A fim de ser reconhecida
Através do seu refletir
Alma leve, tecida
Igualada a uma flor de jasmim

Coloriu seu campo
Ao estômago trouxe-lhe borboletas
Marcou-se encontro
Fostes o ponto de referência

O tom que coloriu
Era brancura infinda
Pinceladas que a distinguiu
Arte em tela infinita

Onde fostes esboçada
Como arco íris em cores
A vida de mão beijada
Trouxe-lhe tons de amores

Cartela de tons que aquecem
Fora aberta no profundo do seu imo
A vida que enaltece
É a mesma que o faz infinito

Por Patricia Campos