Alma criança
Elevada em pureza
Na iris carrega a esperança
Lume incessante em destreza

Abraça quando tem vontade
Globo que escorre com naturalidade
À boca, jorra sempre a verdade
Rios de águas da divindade

Desconhece o rancor
À ninguém crava dor
Pela brisa sente o amor
É mais livre que um beija-flor

Compartilha com o universo
A simplicidade no sorriso
Pode ser pequenino em versos
Mas és imenso no paraíso

Ensina o que é igualdade
Ao unir-se sem distinção
Espelha reciprocidade
Quando chora por um irmão

O céu sussurrou sabiamente
Ao dizer-nos para crianças tornarmos
Somente um inocente
Faz de sua alma infindável

Ganha seu lugar ao céu
Despi-se de todo este véu
Tece-se em fino cordel
Eleva-se ó arranha céu

Toca a sensibilidade
Por sua percepção
A confiança lhe traz coragem
A ponto de acariciar um leão

Que sejamos semelhantes
Aos puros de coração
A funda e um gigante
Caído ao chão feito grão

Tudo é possível
Àquele que busca viver
Veja o quão é incrível
A criança que habita em você

Patricia C.