Há uma porção
No imo, amortecida
Num canto do coração
Visivelmente esquecida

Dizem que os bons morrem cedo
Eu digo que os bons não morrem!
É preciso encontrar-se há tempo
Só a vida não descolore

Antes, traz cor
Confiança,
Aquele que encontra o amor
Brota em si a criança
A qual nascerá na eternidade
Desde já a esperança
Regada pela alacridade
Tocada pela temperança

Seria esplendoroso
Vivificar o que é eterno
Algo tão majestoso
Acordar o seu próprio interno

Tire a pedra
Para que veja
Trave guerra
Não seja alma pequena

Enxergue-se caminho
Que corre para o infinito
Onde as águas formam redemoinho
Um espiral que leva ao sentido

Até que venha para fora
Emergindo seu ser infindo
Por sua estrela vê-se a aurora
Onde seus raios vão reluzindo
E assim aos poucos se forma
E um novo ser vem surgindo

Patricia C.