Ela brilha e reluz
Nos aquece, nos ensina
Desde o ventre nos conduz
Fonte inspiradora de minhas rimas

Veio de longe, outro plano
Sua beleza não é aparente
Deságua na face o pranto
Como pode alguém dizer que não a sente?

Sem ela nada seria
O universo, a constelação
A joaninha pequenina
O pulsar do coração

Passa como um relâmpago
E segue seu curso natural
Está no fundo do seu âmago
A porção do divinal

Desapegue desse pó
Provisório e sem valor
Que te faz sentir-se só
E te afasta do amor

Par perfeito e eterno
A parte que nos completa
Consciência e o sempiterno
A verdade que nos liberta

Vou seguindo os seus rastros
Pisadas firmes em meu inverso
Refletindo do lado de fora
Sabedoria em simples versos

Por Patricia Campos