Seu sorriso veio à terra
Guardado com grande leveza
Ali não há trevas
Mas a essência de toda pureza

O tempo corre e não se cansa
Isso não se faz novidade
Poucos tem esperança
Mas existe sim a liberdade

A raiz da flor
O pé do grande fruto
O início do amor
O corpo e seu produto

A luz se acende
Traça seus passos
O início não rende
Deve entender outros laços

Primeira identificação
Visto que é seu primeiro reflexo
Ao sentir o coração
Em colo tão complexo

Sua carruagem tem linha final
Logo, tem um fim em sua história
Pelo menos, corpo mortal
Onde se finda a trajetória

Enruga-se a pele
A gravidade faz seu papel
Esbranquiça o que se tece
Seus fios por detrás do véu

Tão frágil como vidro
Sútil como porcelana
Um universo coibido
Feito da terra, de sua lama

É parte das estrelas
E lá atrás foi Adão
Pequeno planeta
Para essa imensidão

Traçam muitas guerras
Poucas são vencidas
Quem culpará a Eva
Por ter deleitado-se em suas cinzas?

Por Luiza Campos ?