O extremo transborda sem freio e suas mãos ficam como segurando um rio, as necessidades ultrapassaram os limites, tornando-se cada vez mais errôneas suas ações, não pelo ato, porém pelas raízes do coração. O pó um dia se esvai com o vento, se desfará na tempestade, esta é sua existência, todavia há um espírito no Homem e é este espírito que os faz entendido de todas as coisas, e este também é uma existência guerreando pela manifestação na consciência. A carne tem seus desejos, suas necessidades, assim como a vida que nos habita, são como lobos guerreiros que vivem em nós, quem for alimentado, vencerá a guerra. Mas os passos do mundo caminharam para o precipício, alimentaram a besta fera do campo e ela mesma com uma fome insaciável devorou o próprio dono, impossibilitando-o de pegar as rédeas e ter controle de suas ações. Por isso o mundo se encontra da forma que está, buscaram o insaciável, o que não se pode suprir, todo dia um novo desejo, outro e mais outro, sem lei, sem direção, sem freio. Passou das necessidades e virou loucura, e a cada dia que se passa enlouquecem mais e a vida tão sozinha, não dão a ela seu devido valor. Mesmo todo dia alcançando seu sonho encontra-se vazio pelo simples fato não há mais o que buscar, perdeu a diretriz, e se deparou com seu efêmero.

 

Por Luiza Campos