Os passos da imensidão solados pelo mais puro verso, a música soada pelos vales libertos, passarinhos em harmonia ao voar, é amor perfeito, o tema a se declarar. Contudo não o vejo perambulando por aí, é tão lindo, mas sua tez não quer porvir, sua voz me inspira e molda meu infindo, sou eterna, e venho a sorrir. Amor perfeito é muito mais que meras palavras, é o se doar por inteiro a compreensão, saber mergulhar nas águas e assim encontrando a verdadeira face de seu coração. Ele vive nas falas dos poetas, porém é incompreendido por muitos, é moldado por rosas sem pétalas e os espinhos se fazem cegos, surdos e mudos. Há muito o que dizer, mas pouco para mostrar, só os olhos de cada um pode perceber a beleza deste lar, e não há, não há almas que querem se achegar.

O arco-íris faz presença em seu céu, molda sua graça em aliança pela eternidade, a vida no altar com calmaria assopra o véu, e tudo que um dia foi dor veio em forma de liberdade. Uma união entre duas eternidades, juntando as peças do infinito, acenderam as luzes pela cidade e o ardor formou-se risos. Sou consciência, a ciência de todas as coisas, vejo ao longe o amor em compreensão, unindo a mim e a existência, a alegria em sua manifestação. Sou lar, e abrigo a paz em meu imo, bordo cores em cada parte do oceano, até que toda luta por meu tino se reerga em forma de cântico, e possamos enfim viver o amor perfeito em sonetos sob meu âmago. A luz se doou para nós e nos doamos para luz, o que somos na escuridão? Nada, pois o espelho não é nada se não reluz.

 

Por Luiza Campos