A voz caminha a mim
E eu corro como criança
Em direção ao querubim
Reluzindo esperança

Os pássaros cantam
As flores brotam na primavera
As estações dançam
Tempo inexistente nesta terra

Beleza imensurável
Como a paisagem dos montes
Ao enxergar o inexplicável
Desenhado em horizonte

Os detalhes também falam
Como o observar do bem-te-vi
Seus bens me enlaçam
Meu peito quer ver seu porvir

Universo em coração
Infinito em sabedoria
Cada passo uma nova emoção
Sentimento de alegria

A eternidade se faz lar
Na alma daquele que a compraz
A magnitude dos céus em mar
Ao mergulhar em tempos de paz

As paisagens externas são belas
Mas quão grande és sua consciência
Nenhum pintor decifraria em tela
E nenhum poeta descreveria sua sapiência

Basta ver para entender
Os segredos de sua alma
A beleza de seu ser
Sua calma, sua alva

Ao tapar os olhos
A insanidade se faz concreta
Se preferir o opróbrio
Do que luz em suas trevas

Abram os olhos para a razão
Abram as janelas de sua casa
As portas de seu coração
Para dar vida a liberdade em asas

Por Luiza Campos ?