Grandiosidade em peito nu
Fez-se lar de toda luz
Não remoê pensamento cru
És pensante e reluz

O abrigo de Deus
O lar dos anjos
Aos poucos descobre o breu
Conscientizando cada canto

Manifesta, age e se faz
Por ela aquebrantou o infinito
Sua jornada é em busca da paz
E se preencher com o ser infindo

Como pode ser assim?
A metade da eternidade
Tão vasta que não há fim
Aqui sim há liberdade

Com ciência
Descobre o mundo
Com inteligência
Vê seu profundo

Gotas transparentes
Refletindo suas raízes
Expele o que mente
E abraça suas diretrizes

É a consciência
Teu ser desconhecido
Crise de identidade em vivência
Mas seu coração não fica escondido

Fruto de Adão
De sua costela se formou
A real vastidão
Sua flor brotou

Cada qual com seu DNA
Infindas personalidades
Mergulhando em profundo mar
Descobrindo-se em partes

Não se quebra
Não se vai
Não se pega
Não cai

Se faz com a vida
Se faz com o pó
Pura sabedoria
Eterna, uma só

Por Luiza Campos ?