Indelicado e falso amor
Que rasga e machuca a alma
Paixão que traz a dor
Invadindo sua alva

Incompreendido e sem caráter
Sua voz falha em frases tortas
Eu te amo flui como vaidade
Seus status são preenchidos por coisas mortas

Apaixonou-se plenamente pelo reflexo
Ao observar sua alma nua
Encarou-se sem ter encontrado nexo
Refletindo a frieza da lua

Suas mãos congeladas
Seus olhos infinitos
Alma enjaulada
Laços finitos

Condiciona-se a dor
Sua própria ruína
entristecendo o amor
Perdendo-se em sua sina

És passarinho em gaiola
Flores sem cores
Caíram pétalas da rosa
Viu angústia e seus horrores

Pranteou sua derrota
E viu que tudo era ilusão
Basta o cair de uma pena
Para chorar seu coração

Base inexistente
Muito menos coerente
Sua fala não contente
Seu medo era insistente

Suas dúvidas pouco decifradas
Nunca correu atrás
Perdeu-se na estrada
Esperando seu tempo fugaz

Sua luta não durou muito
Seus dias foram inseguros
Pouco ardor para muito luto
Na verdade falso amor, seus dias são surdos

Luiza Campos ?