Sua honra veio a nós
Deu vida as pétalas
Sua fala desata nó
Colore o peito, pinta a tela

Faz seu compasso
Baila com o coração
Simetria do estado
A luz na escuridão

Estimula a beleza do peito
Canta versos com o vento
Traz calmaria para o leito
Inexistente faz-se o tempo

Sua luz está nos caminhos dos riachos
Nas diretrizes dos passarinhos
O lume se apresenta em seus passos
No aprendizado de seu caminho

Veio dos céus
A aliança de dois planos
Trouxe o verbo para o véu
A vida e seus encantos

Orgulha-se de bons frutos
Da pureza em sua essência
Ânimo nos punhos
Lutando pela consciência

Sua espada crava a flor
E nada é tão sútil
Pena que não sentem seu amor
A imensidade em azul anil

Presenciou seu formar
E as dores de seus espinhos
Está no profundo do mar
Mas nunca se encontra sozinho

Veio para ser rei
Encaixar-se com sua metade
Em tudo encontra suas leis
E em tudo que habita se faz arte

Seu firmamento reflete sob o espelho
E suas estrelas aquecem as almas
Quem há de sentir seus feitos
E se apossar de sua divindade e de sua calma?

Por Luiza Campos ?