Satisfaça-se, oh! Alma, com as bênçãos que caem do céu. Vem a nós como mel, trazendo sua paz, amor e benignidade. Sua voz ecoa a mim, e sua doçura és minha fortaleza. Satisfação plena és a da vida, que traz ao meu peito prazer. A própria não me deixa entristecer, cuidando de minha alma, velando o meu coração. Cuide de mim, assim como o pai cuida de seus filhos. Leva-me contigo onde for, que meus passos serão harmoniosos com os seus. Assopre sua brisa, que onde ela for irei. Dê-me sua plenitude satisfatória, para que eu possa ser livre, e voe sobre meu firmamento. Seja minha gloriosa e infindável vida, venha a meus braços, acolherei-te em minha casa, cuidarei de ti até que meu corpo padeça e voarei contigo nas alturas.

Sou um membro procurando a cura tendo ela em mãos, cicatrizo minhas feridas e aos poucos será gloriosa minha imensidão. Há uma luta em mim, meu interno vive em guerra, sou um campo de batalha ambulante que quando golpeado continuo em pé. A base firme que me segura é a rocha dos céus, firmada em campo minado. Alcançarei a pura satisfação, quando minha alma se transpor, serei luz na escuridão e o corpo da eternidade. Sou infinita, mas limitada por hora, mas quando a ampulheta se findar eternizarei-me em glória.

Luiza Campos ?