Olhei para o céu
Admirei seu firmamento
Mesmo tão longe do véu
Iluminam meu conhecimento

Trazem paz às noites nebulosas
É vaga-lume eterno
Ternura vitoriosa
Clama e dança para o sempiterno

Tão distantes entre si
Mas se entendem com a certeza
Trazem o porvir
Para uma alma na pobreza

Mesmo não tocando-se
Abraçam-se pelo olhar
Mesmo ponderando-se
Transbordam os rios com seu amar

Forte és teu elo
Que não pode ser quebrantado
A não ser o próprio servo
Que desonrar seus aliados

Mas juntos estão no céu
Brilhando para quem pode ver
O desejar não traz o fel
Quem escolhe é você

Soma de lumes
Em todo universo
Muda todos seus costumes
Revirando-lhe ao inverso

Atravessa espaço e tempo
E se unem em um só
Um grande arrebatamento
Lumiar que desvencilha-se do pó

Pode brilhar
E brilhe para todos
A igualdade irá juntar
Tirará os puros do lodo

Não tenha medo
Pode voar
O precipício não é um erro
Só se você não se entregar

Por Luíza Campos