Simultâneas gotas
Caem sobre seu vazio
Uma é pouca
E juntas enchem o rio

Cristal que cai do céu
Refletindo sua essência
Uma unidade atrás do véu
Mas logo junção de consciências

Minucioso ao se descobrir
Como o escorrer pela pétala
Uma pluma ao porvir
Sobre a rosa desta terra

De gota em gota se faz
A cada passo dado
Constrói-se sua paz
E forma-se um soldado

Espelho ruído em seus versos
Refletindo um entoar errado
Ao enxergar seu inverso
E ver-se sem um lado

Nada se faz só
Tudo há quem o faz
É só desatar o nó
E conseguir o que apraz

Somos partículas unicelulares
Em união somos o infinito
Como as gotas dos mares
Essências diferentes, seres mistos

A gota dança sobre sua face
Deixe-a cair
Sinta a felicidade, seu enlace
Ao entender-se em si

Uma gota de chuva
Nada se pode fazer
Mas juntas são únicas
E tudo se pode entender

Ninguém está sozinho
Mesmo não estando acompanhado
Há um que palpita o caminho
E sempre ilumina seus passos

Traços sobre os algodões
Seu fim é a soma da verdade
De todos que deixaram as ilusões
Chegando a sua eternidade

Por Luiza Campos