Todos são chamados, mas poucos escolhidos. Não porque Deus quis assim, mas porque as próprias consciências não seguem em direção a vida. Seria natural as consciências buscarem a vida, pois o que seria mais importante para uma consciência do que a vida? Por isso Deus está sempre com suas mãos estendidas e chamando as consciências: venham para a luz. Mas isso depende de cada consciência, elas precisam enxergar a luz da vida dentro de si mesmas. Só vemos o espírito hoje pelos olhos do entendimento, mas podemos o sentir, e ele fala conosco todos os dias.

A luz da vida bate em nossas portas, mas se não a abrirmos, não tem como essa luz entrar, e nunca refletiremos esta luz por nós mesmos, mas esta luz ficará apenas como uma sombra, até Deus arrebatar o espírito da vida e a consciência se deparar com o vazio eterno dela, uma tragédia fatal, pois a consciência não se fez uma com a vida, com o espírito de Deus e caiu no breu.

Mas hoje é o dia de busca-lo, deixa-lo entrar por nossas portas e fazer dele o novo ser das nossas consciências. Todos os dias ele fala contigo, comigo e com todas as consciências: venham para luz, antes que as trevas vos apanhem. Desperta, ó tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá. É a própria consciência que precisa se despertar, levantar, acordar para a vida e deixar Cristo guia-la, pois é este espírito que nos dá a vida que conduzirá as nossas consciências a terra prometida, e a luz da vida brilhará por nossas consciências eternamente.

Por Kátia Campos