De lamentos e gritos.
Sufoca a voz da vida,
Por isto ninguém vê a saída.

Que está nas batidas,
Pulsantes do coração.
Só quem é sóbrio,
Escuta o seu refrão.

Melodia de alta frequência,
Estrondosa destrói aparência.
Mas quem se põe a escutar,
No seu leito antes de repousar ?

O dia foi intenso e demorou à passar,
E as pupilas se fecham pelo pesar.
Mas por detrás desta parede,
O senhor da vida continua à aguardar.

A consciência ainda pode despertar,
Deste sono para se salvar.
Mas até quando o braço do Altíssimo vai estar,
Estendido para resgatar as almas deste lugar?

Por detrás de cada muro,
A vida é infinda.
Tirar cada pedra,
É encontrar a saída.

Por Lauro Balbino