É certo que nós produzimos a consciência ainda agora neste mundo e é mais certo ainda que ela não sabe absolutamente nada do que está fazendo aqui. Mas a vida nos proporciona este êxtase de prazer, pois sabemos que estamos diante de uma sabedoria oculta aos nossos olhos. E é como, como é, um jogo de quebra cabeça e que só os sábios sabem decifrar suas peças e colocá-las no lugar. A vida é um enigma e a própria consciência deve raciocinar e descobrir que enigma é este. Nós sabemos que a vida se trata de um propósito onde há três fases, duas metamorfoses e dois nascimentos. Paulo disse que o tempo presente serve de sombra para os bens futuros, e afirma que assim como nós trouxemos a imagem do ser animal, traremos também a imagem do ser espiritual.

Se nós colocarmos cada peça no seu lugar, entenderemos o processo para nascermos no espírito, pois, é da mesma forma que fizemos para nascer na carne, e é só vermos os elementos necessários para nascermos na carne e levá-los para o entendimento do espírito, isto é, na carne tivemos o nosso pai que produziu o nosso sêmen, já no espírito o Pai é Deus. Na carne, tivemos a nossa mãe, onde este sêmen foi inseminado no ventre dela e lá passamos por uma metamorfose, deixando a condição de sêmen e assumindo a condição humana. Agora, pelo espírito quem faz o papel da mãe, é a nossa consciência, e é nela que deve ser inseminado o espírito que é o sêmen de Deus e passaremos por uma segunda metamorfose, deixando a condição humana e assumindo a condição espiritual, e por fim nasceremos no plano do céu pelo espírito. De outra forma, as nossas consciências cairão no vazio eterno, como aqueles sêmens que não adentraram o óvulo da mulher e morreram.

A consciência não tem a menor noção da tragédia eterna em que cairá, basta ela raciocinar que ela verá que a lógica da vida é esta, ou ela gozará a vida eterna só de prazeres e delícias no céu pelo espírito, ou cairá no vazio eterno de desgraça. Por isso Deus colocou nas mãos da consciência o livre arbítrio, para que ela não culpe ninguém da desgraça eterna em que vai cair no dia do juízo, é a consciência que escolhe a eternidade que ela quer passar. O máximo que podemos fazer é alertá-la da tragédia que está por vir, mas se a consciência criou laços afetivos pela carne, ela mesma deve julgar se vale a pena cair no vazio eterno por estes laços, ou se ela prefere a vida eterna do espírito. Não queira julgar que vai para a vida eterna ligada a carne, pois isto não acontecerá.

Mais uma vez eu advirto as consciências, nós estamos dentro de um propósito e este propósito é composto por três fases, e é preciso morrer para uma fase para nascer na outra, mas se a tua consciência não quer morrer para a carne e for até o dia do juízo ligada a ela, cairá mesmo no vazio eterno sem volta. Queira ou não, isto vai acontecer e no dia do juízo não haverá misericórdia.

Por O teu espírito diz