O domínio é uma consciência ter o poder de fazer algo, e o equilíbrio é a sensatez com que ela faz. Eu sempre disse que existe a maneira certa de fazer as coisas e a maneira errada. Quando uma consciência faz da maneira errada, nós dizemos que ela é uma desequilibrada, e eu vou mais longe ainda, quando uma consciência prejudica os outros, já é errado, mas quando ela prejudica a si mesma, é uma irracional.

Falando da nossa razão de existir, nós sabemos que estamos dentro de um propósito, e sabemos também que esta vida da carne é só um lance dentro dele. Nós viemos na carne só por causa da consciência que produzimos nela, mas um dia, a carne sairá de cena assim como entrou. Mas a vida continua para a consciência que se unificar ao espírito de Deus, isto é, a consciência deve deixar a carne que a produziu e se ligar no espírito de Deus para continuar na vida com ele. Trata-se de uma troca de identidade por parte da consciência, ela deixará a pessoa da carne e assumirá a pessoa do espírito, ou ainda, ela era carnal e agora é espiritual. A consciência transporá de planos, mas isto não é com ela, mas sim com o espírito de Deus. Mas para que o espírito de Deus realize esta obra de Deus nela, é preciso se entregar a ele como o profeta Oséias disse: vinde e tornemos para o senhor, pois ele vai nos cortar da carne e nos ligar a ele, vai fazer a ferida, mas vai cura-la. Depois de dois dias nos dará a vida, e ao terceiro dia nos ressuscitará no plano do céu e viveremos por ele eternamente.

Se a consciência for uma descontrolada, ela não conseguirá passar por este caminho. Mas para uma consciência passar pelo caminho da vida, ela deve ter o domínio próprio, isto é, primeiro ela deve saber do propósito de Deus, segundo, deve querer realiza-lo, e por fim andar no caminho da vida. Mas se a carne dominar a consciência, e ela não tiver forças para sair disso, cairá no vazio eterno quando a carne morrer. É este domínio próprio que a consciência deve ter sobre o domínio dos seus impulsos carnais, se ela não conseguir ter este domínio, é uma desequilibrada. A consciência deve saber o que a levará a vida eterna do espírito, e o que a levará ao vazio eterno das trevas, e ela deve ter este domínio, para saber o que quer, isto é, isto aqui é bom para mim agora, mas me levará ao vazio eterno depois, então não me interessa. A tua consciência julga que vale a pena cair no vazio eterno por um filho, ou por um neto, ou por esposo ou esposa, ou por bens materiais? Se acha que vale a pena, toca em frente com esta tua insanidade.

Por O teu espírito diz