Toda consciência deve entender uma coisa, que a coisa é para ela. Nós estamos diante de uma eternidade, e o que nós queremos para a nossa consciência nesta eternidade? Nós vamos passar esta eternidade de todo jeito, ou com a vida eterna do espírito ou no vazio do nada, e isto é certo. Nós sabemos que com a carne não vamos muito longe, pois ela ficará logo ali a frente na primeira curva da vida, mas a consciência continuará, com ou sem a vida, depois desta primeira curva, e o que a tua consciência espera depois desta primeira curva? Uma uber te esperando para te levar para jantar? Nós sabemos que este nosso corpo carnal vai virar a janta dos vermes da terra.

Mais uma vez eu digo, a tua consciência não tem que lutar por esta vida aqui do mundo, mas sim pela vida eterna dela. A tua consciência tem que ver o que ela quer para a eternidade dela, e não ir atrás desta vida aqui do mundo que ela já sabe que é passageira, e o pior é que não levaremos nada desta vida. Quem nos obriga a trabalhos forçados é o faraó, e somos nós, as consciências, que temos que lutar pela nossa liberdade eterna. Temos que lutar para deixarmos esta escravidão da carne, pois é ela que nos faz trabalhar de sol a sol e não ver nada das coisas boas da vida. O diabo é que pôs este engano na cabeça dos seres humanos, temos que nos desligar da carne e nos ligar no espírito de Deus. Mas eu não disse ser libertino, mas livres. O que te falta pelo espírito? Que dia Deus deixou de nos enviar o maná do céu?

Nós vemos que Deus nos dá o maná todos os dias, mas quem tem que preparar os pães, os bolos e leveda-los e pôr no forno, são as nossas consciências e eu faço isso todos os dias bem cedinho e coloco a mesa para quem quiser comer, alguns irmãos até deixam os alimentos mastigados, com sucos e até algumas sobremesas, mas onde estão aqueles que vêm sentar à mesa de Deus? É como a parábola que o meu irmão Jesus disse: o pai de família preparou as bodas de seu filho e mandou chamar os convidados, mas cada um deles deu uma desculpa para não ir à festa. E se diz que os convidados não eram dignos, mas o pai de família disse aos seus servos: ide nas ruas, nos valados, nas praças, e convidai a todos e enchei a minha casa para as bodas de meu filho.

Hoje nós estamos vivendo esta situação, cada um dá uma desculpa para não participar da ceia do senhor. Eu fico indignado com isto, mas não posso fazer nada.

Por O teu espírito diz