As consciências não dão crédito no que falo, mas eu falo a verdade da razão da vida. Eu não falo por fábulas, mas pelo raciocínio lógico. É o que nós vemos pelo raciocínio lógico, que é a verdade. É o que os profetas e apóstolos também falaram. Quando eu falo da razão da vida, ninguém sente que é para ele, parece que não vai acontecer. Ninguém faz nada em prol da vida eterna, aliás, ninguém acredita que a vida eterna existe, parece ser uma fantasia nas consciências. Ninguém sente a vida eterna de verdade, vivem todos alheios a ela, como que não acontecerá. As consciências agem como se não fosse com elas.

Eu não sei mais o que fazer para chamar a atenção das consciências com relação a vida, estão todas como que amnesiadas, parece que isto não se acha lugar dentro das consciências, é uma parte da memória que está morta, esquecida, não explorada. As consciências não se atinam que existe uma razão para nós estarmos aqui neste mundo, é muito complexo para elas atinarem. Não existe a menor possibilidade do acaso ser tão complexo e perfeito como vemos. Existe uma sabedoria que rege o universo, existe um núcleo pensante que controla tudo isto, nada no universo é aleatório, nada é fora do lugar, mas tudo é regido por leis e princípios. É tudo calculado, preciso, na hora certa. Não está nada fora de controle, os princípios são básicos nas gestações, os acontecimentos são certos. Parece que ninguém vê isto, e isto está tudo a nossa volta sem que ninguém perceba.

Fora de toda esta complexidade e perfeição que nos envolve, tem também a morte que deveria chamar atenção das consciências. Todos nós vamos morrer, e será que toda esta complexidade foi em vão? Será que existe mesmo uma razão para nós estarmos aqui? Será que a nossa existência não está ligada a nada? Será que não existe nenhum vínculo com nenhuma sabedoria? Será que toda esta complexidade da nossa vida acaba aqui mesmo neste mundo? Será que não existe nada a fazer para dar sequência ao propósito da vida? Se nós atentarmos bem, Jesus disse de um segundo nascimento para uma outra existência que ele a chamava de espírito, e que nesta existência a nossa vida seria eterna. O que Jesus quis dizer com nascer de novo? Não mais para a carne, mas sim para o espírito? Será que Jesus nasceu de novo?

Será que ele nasceu para esta existência que ele disse que não morre? Se ele nasceu, qual foi o processo para que isto acontecesse nele? Qual o princípio ele praticou para nascer no espírito? E se ele praticou este princípio, o que ele disse para que nós também nascêssemos no espírito? Ele mesmo disse pelo espírito assim: examinais as escrituras, porque vós cuidais ter nela a vida eterna, e são elas que testificam de mim. O que os profetas falaram que testificaram da vida eterna? Testificaram tantas coisas que é quase impossível enumerá-las. A primeira é que o espírito de Deus já está dentro de nós, e que a nossa função é tão somente entregarmos a nossa consciência a este espírito. Simples né, só depende de cada consciência.

Por O teu espírito diz