Um juiz é nomeado para fazer cumprir a lei. As leis são elaboradas pelo poder legislativo, um grupo de parlamentares que supostamente vê o que é melhor para uma sociedade, e que prevê punições para os transgressores. Aplicar a justiça é fazer cumprir as leis e suas punições. Falando da lei divina, temos que saber que na carne somos criações, e como tal produzimos a consciência. O Criador Deus nos dotou da porção do seu espírito pela vida, e o apóstolo Paulo disse que a justiça da lei de Deus se cumpre nas nossas consciências que não andam segundo a carne, mas que andam segundo o espírito. Fazer a justiça a Deus consiste em as nossas consciências se desligarem da carne e se ligarem no espírito. Se não fizermos isto, a punição é o vazio eterno.

Paulo como doutrinador da lei de Deus disse: enquanto a consciência estiver ligada a carne, o espírito de Deus não se estabelece nela, e apontou alguns sentimentos que ligam uma consciência a carne, e acrescenta que quem tem estes sentimentos não herdam o reino de Deus. Ele disse da prostituição, da impureza, da lascívia, da idolatria, das inimizades, dos ciúmes, da ira, das heresias, da inveja, das bebedices e coisas semelhantes a estas, é lógico que a lista é longa, mas em síntese é tudo o que liga uma consciência a carne.

Enquanto a consciência estiver ligada a carne por qualquer destes sentimentos, estará fora da lei de Deus, e consequentemente da vida eterna. No dia do juízo não haverá o perdão, pois estamos falando de leis e justiça, e se Deus te perdoar Ele será injusto com os justos que passaram por este mundo e cumpriram a sua lei.

Por O teu espírito diz