Não fui eu que inventei o propósito da vida, mas apenas o descobri pelo raciocínio lógico. Eu consegui montar o quadro da razão da vida, que consiste em três peças, a saber: a carne, que todos testificam, o espírito de Deus pela vida e a consciência. A carne está na qualidade de criação, o espírito de Deus na qualidade de Criador e a consciência é o produto da criação. Com este quadro montado, eu trilhei o caminho do raciocínio lógico e ele me disse: o que uma criação produz deve servir o criador dela e não ela mesma.

Dentro disso, temos uma eternidade pela frente e eu descobri que a consciência está ligada a carne como um fruto natural, mas para ela continuar na vida, é preciso ela se desligar da carne e se ligar no espírito de Deus. A tua consciência pode até viver em delícias agora na carne, mas um dia perderá a vida do espírito, depois que ele voltar a Deus, e a consciência cairá no vazio eterno, daí você verá o que é choro e ranger de dentes como está escrito no apocalipse. Mas se a consciência passar pela purificação da carne agora, gozará uma vida eterna depois no espírito no plano do céu.

A vida que as consciências têm neste mundo é temporária e elas não estão vendo a desgraça eterna em que cairão. Não são sábias para verem o propósito da vida, mas são tolas. Como disse, não fui eu quem inventei o propósito da vida, mas apenas descobri, quem quiser ver a razão da vida pelo mesmo olho do entendimento, pode. De que vale você viver bem a sua vida neste mundo e depois passar uma eternidade nos infernos? A tua consciência vê vantagem nisto? Você não compreende a razão da vida e só faz deduções grotescas, como os religiosos. No dia do juízo você verá o que te espera na eternidade, vazio eterno, daí você conhecerá o inferno de verdade.

Por O teu espírito diz