Na mesma hora que as nossas consciências são castas em número, elas já são vastas no entendimento, por isso na lei diz: de um faço mil. No mundo temos milhares de doutrinas diferentes, todas elas montadas em cima de enganos que não trazem salvação a nenhuma alma. Os próprios fieis destas doutrinas dizem: ninguém sabe quem está com a verdade. Elas chegam a dizer que todos os caminhos levam a Deus, como se cada ser humano, tivesse vindo a este mundo por um caminho diferente, sem precisar passar pela inseminação no ventre da mulher, uma gestação e por fim o nascimento. Todas as religiões dizem que a salvação de Deus vem por fora, como se viesse um super-herói voando e te pegasse e levasse ao céu. Não precisa ter uma inseminação espiritual, nem uma gestação e nem o nosso nascimento no reino do céu pelo espírito, mas iríamos por fora, como se alguém nos buscasse e levasse a Deus. Seria o mesmo, que se alguém buscasse o nosso sêmen por fora, sem que ele precisasse passar pelo ventre da mulher e nós chegaríamos a este mundo como ser humano.

Na lei está escrito que a porta é estreita e que o caminho da vida é apertado, e que poucos passariam por ele. A porta estreita é o entendimento do propósito de Deus, e quase ninguém neste mundo passa por ela, e o caminho apertado, é a purificação da consciência em relação a carne, para que o espírito de Deus possa habita-la, pois na lei está escrito: enquanto o primeiro tabernáculo, que é a carne, estiver de pé na consciência, o segundo tabernáculo, que é o espírito, não se estabelece nela. Pedro disse: amados, peço-vos como a peregrinos e forasteiros que vos abstenhais dos desejos carnais que combatem contra a alma. E Paulo foi bem claro quando disse: a lei de Deus se cumpre nas nossas consciências que não andam segundo a carne, mas que andam segundo o espírito.

Cabe a cada consciência analisar o que é andar segundo o espírito e não segundo a carne. Toda consciência tem o poder de pensar, raciocinar, formar ideias, ponderar e decidir por quem ela quer andar. Ela pode usar de todas as suas funções em benefício da carne ou em benefício do espírito. E Paulo disse mais: as consciências que são ligadas a carne se inclinam para as coisas da carne, e as consciências que são ligadas ao espírito, se inclinam para as coisas do espírito. E eu digo mais ainda: tudo o que não for pelas necessidades da carne, a consciência comete erro contra Deus. Tudo que uma pessoa fizer, se não for pelo benefício do espírito, é pecado. Temos que trabalhar com todas as ferramentas que temos em nossas mãos em benefício do espírito de Deus, e não da carne. Os nossos dons, que Deus nos dá, devem ser em benefício do espírito, e não para ganhar dinheiro como estes religiosos fazem.

Por O teu espírito diz